Vitamina D: O que é, benefícios, efeitos colaterais e quando tomar

A vitamina D é importantíssima para a saúde humana e a falta dela pode causar sérios problemas. Neste artigo, iremos apresentar informações essenciais sobre esse nutriente importantíssimo para manter nosso corpo saudável.

Saiba o que é, para que serve esse micronutriente, qual a melhor forma de obtê-la e que alimentos são ricos em vitamina D.

O que é

A vitamina D é uma vitamina lipossolúvel presente naturalmente em certos alimentos e em suplementos dietéticos. Ela também é produzida pelo nosso organismo quando os raios ultravioletas da luz solar atingem a pele e desencadeiam a síntese de vitamina D.

A deficiência de vitamina D pode desenvolver várias doenças no organismo humano, tais como, osteoporose, raquitismo, desenvolvimento de doenças autoimunes, diabetes, problemas cardiovasculares, queda de cabelo, envelhecimento precoce, rugas.

A deficiência desta vitamina em mulheres grávidas pode ocasionar abortos nos primeiros três meses. Além disso, as crianças de mulheres com deficiência de vitamina D podem nascer com autismo.

Ela esta presente em todo o corpo e é essencial para o bom funcionamento do metabolismo, força muscular, sistema cardiovascular e pressão arterial. Podemos obte-la através da alimentação e da suplementação, mas a forma mais eficaz para a sua absorção é através da radiação solar.

O suplemento alimentar é bem eficiente, mas é necessária orientação médica ou nutricional. O exagero na dosagem e a automedicação podem ser prejudiciais à saúde, sobrecarregando os rins e afetando o coração e os pulmões.

pôr-do-sol numa praia calma

Tomar banho de sol alguns minutos é uma forma fácil de obter vitamina D

Para que serve vitamina D

A vitamina D é fundamental para manter os ossos fortes. Ela ajuda o nosso corpo a absorver cálcio (que é essencial para a saúde óssea) dos alimentos e suplementos. A falta dela ou consumir menos que o corpo necessita pode deixar os nossos ossos moles, finos e quebradiços, uma condição conhecida como raquitismo em crianças e osteomalácia em adultos.

A vitamina D também é importante para o corpo de muitas outras maneiras:

  • os músculos precisam dela para se mover
  • os nervos precisam dela para transportar mensagens entre o cérebro e o resto do do corpo
  • o sistema imunológico precisa dela para combater as bactérias e vírus invasores.

Em idosos, juntamente com o cálcio, a vitamina D ajuda a proteger contra a osteoporose.

Benefícios da Vitamina D

Consumir essa vitamina em doses adequadas é importante para manter nossa saúde em dia. Entre os benefícios que ela proporciona à nossa saúde, estão:

  • Melhora a calcificação óssea: ela é responsável pela absorção do cálcio dos ossos. Geralmente as pessoas com deficiência de Vitamina D têm dificuldades de calcificar ossos, aumentando as chances de ter osteoporose ou lesões ósseas.
  • Gestação: Reduz a chance de aborto e da criança nascer com autismo.
  • Proteção cardíaca: diretamente ligada à produção de renina, que é crucial para controlar a pressão arterial.
  • Proteção de doenças autoimunes: ajuda a regular a imunidade, diminuindo as chances de desenvolver algumas doenças como, artrite e esclerose múltipla.
  • Benéfica para os músculos: ela contribui para o ganho de força muscular e aumento da massa magra.
  • Boa para a pele: trata infecções cutâneas e previne o envelhecimento precoce.
  • Boa para os cabelos: previne a queda e cabelo e ajuda no nascimento de fios novos.

Efeitos colaterais

Exagerar no consumo de vitamina D pode gerar uma série de efeitos colaterais. Entre os diversos efeitos colaterais que podem ser observados podemos citar náuseas, vômitos, falta de apetite, constipação, fraqueza e perda de peso. E como ela eleva os níveis de cálcio no sangue, muita vitamina D pode causar confusão, desorientação e problemas com o ritmo cardíaco.

Excesso de vitamina D também pode danificar os rins.

O limite máximo seguro que uma pessoa pode tomar são os seguintes:

  • Bebês: de 1.000 a 1.500 IU
  • Crianças com 1 a 8 anos: de 2.500 a 3.000 IU
  • Resto das pessoas: 4.000 IU

Geralmente o consumo exagerado de vitamina D ocorre quase sempre devido ao uso excessivo de suplementos. A exposição excessiva ao sol não causa intoxicação por vitamina D porque o corpo limita a quantidade que ele produz dessa maneira.

Hipervitaminose D

A hipervitaminose D é uma condição geralmente causada pelo consumo excessivo de suplementos de vitamina D. Entre os sintomas da hipervitaminose D, estão:

  • Fraqueza muscular;
  • Fraqueza nas juntas;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Prisão de ventre;
  • Desidratação;
  • Irritabilidade;
  • Hiperoximia (falta de apetite);
  • Hipercalcemia (excesso de cálcio no sangue).

A hipervitaminose D pode ser detectada de algumas maneiras:

  • exames de sangue para verificar os níveis de vitamina D, cálcio e fósforo
  • exames de urina para verificar se há excesso de cálcio na urina
  • radiografias ósseas para determinar se está ocorrendo alguma perda óssea significativa

Para de tomar suplementos de vitamina D e diminuir o consumo de alimentos que possam conter essa vitamina geralmente é o suficiente para curar a hipervitaminose D. Médicos também podem pedir que você diminua o consumo de cálcio. Em alguns casos, médicos podem receitar corticosteroides ou bifosfonatos para suprimir a liberação de cálcio dos ossos.

 

Alimentos ricos em Vitamina D

Alguns alimentos são benéficos para a reposição desta vitamina. Observe se esses alimentos fazem parte da sua alimentação diária, antes de iniciar, uma suplementação sintética.

  • Salmão;
  • Sardinha;
  • Carnes (frango, porco, carne bovina);
  • Ovos;
  • Leite (derivados do leite);
  • Bife e Fígado;
  • Cogumelos;
  • Óleo de fígado de bacalhau;
  • Suco de laranja.

Quando tomar?

Deve ser introduzido, em forma de suplementação, quando o nível ideal dessa vitamina estiver reduzido, sendo necessário fazer exame de sangue chamado de Vitamina D Hidroxi-25. O valor de referência para um adulto está entre 30 e 74 mg/mL. Se você fizer o exame e ele mostrar um valor abaixo da referência, provavelmente você está com deficiência de Vitamina D e terá que resolver isso através da alimentação ou suplementação.

Pessoas acima de 60 anos são indicadas a reposição com suplementos, pois nessa faixa etária a perda de vitamina D é maior. O médico ou nutricionista pode, então, prescrever o uso dos suplementos vitamínicos. Ele irá indicar qual a dosagem tomar, já levando em consideração as necessidades que aquela pessoa necessita.

Outros pontos interessantes

  • Exposição solar

Com a exposição solar garantimos a absorção de 80% a 90% da quantidade necessária por dia. É recomendado expor-se ao sol pelo menos de 15 á 20 minutos, antes das 10 horas da manhã e depois das 16 horas da tarde todos os dias. Recomendamos o uso de protetor solar fator 15 de preferência, pois, este não impede o processo de síntese da vitamina.

  • Pode combater rugas e linhas de expressão

Ela acelera a renovação da pele, pois, cerca de 90% dessa substância é produzida na própria pele, que é sintetizada através dos raios solares ultravioletas que se transforma em Vitamina D. Assim, ela consegue estimular um efeito de reconstrução da epiderme, melhorando a textura e o contorno da face.

  • Pode ajudar a evitar a queda capilar

Ela é essencial na manutenção celular do couro cabeludo, melhorando a qualidade dos folículos capilares e auxiliando na regeneração dos folículos pilosos dos cabelos, responsáveis pelo nascimento de novos fios.

Informações complementares

Além da D, existem outros tipos de vitaminas que fazer parte desta mesma família. As mais conhecidas são a D2 e D3:

  • Vitamina D2: Também chamada ergocalciferol, age diretamente nos ossos, ajudando a Vitamina D na formação de cálcio.
  • Vitamina D3: O colecalciferol estimula na produção de peptídeos potentes nos glóbulos brancos do sangue e células epiteliais que revestem o trato respiratório, protegendo assim os pulmões contra infecções.

Vale salientar que, além destas duas já citadas, há ainda outras variantes dessa vitamina, chamada D1, D4 e D5.

Deixe uma resposta

/* */