Ginseng: para que serve e quais benefícios ele traz?

O ginseng é uma raiz que muitos dizem trazer diversos benefícios à nossa saúde. Mas será que isso é verdade ou será que é só mais uma invenção para vender mais suplementos e extrato?

Neste artigo iremos listar benefícios que essa raiz medicinal pode proporcionar a nossa saúde, segunda as evidências científicas.

O que é

O ginseng é uma raiz que tem sido usado na medicina tradicional chinesa há séculos.  Ele têm raízes grossas e pode ser classificado de três maneiras, dependendo de quanto tempo ele demora para crescer:

  • Fresco: é colhido antes de 4 anos
  • Branco: é colhido entre 4 e 6 anos
  • Vermelho: é colhido após 6 anos

Existem muitos tipos dessa erva, mas os mais populares são o ginseng americano (Panax quinquefolius) e o ginseng asiático (Panax ginseng).

O ginseng americano e asiático varia em sua concentração de compostos ativos e efeitos no corpo. Os dois principais compostos dessa raiz são os ginsenosídeos e gintonina. Estes compostos complementam-se mutuamente para proporcionar diversos benefícios à saúde.

Para que serve

O ginseng é usado como suplemento para emagrecer, para resolver problemas de disfunção erétil e para dar mais energiar. Ele também é usado na culinária e para a fazer chás. Existem dois tipos principais de ginseng e cada um deles serve melhor para determinadas funções.

Acredita-se que o ginseng americano serve como um agente relaxante, enquanto que o asiático tem um efeito revigorante.

raiz de ginseng

O ginseng é muito parecido com o gengibre.

Benefícios à saúde

Nos últimos anos, essa raiz tem sido estudada pela ciência e o resultado desses estudos têm sido reveladores. A seguir, iremos listars os benefícios que essa raiz pode proporcionar à nossa saúde.

Potente antioxidante que pode reduzir inflamações

O ginseng possui propriedades benéficas antioxidantes e anti-inflamatórias. Alguns estudos com tubo de ensaio demonstraram que o extrato e os compostos de ginsenosídeos poderiam inibir a inflamação e aumentar a capacidade antioxidante nas células (1, 2).

Os resultados também são promissores em seres humanos.

Um estudo com 18 jovens atletas do sexo masculino investigou os efeitos de tomar 2 gramas de extrato de ginseng vermelho coreano três vezes por dia durante sete dias:

Os resultados deste estudo sugerem que a suplementação de ginseng poderia reduzir o dano muscular induzido pelo exercício e as respostas inflamatórias, resultando em melhorias na sensibilidade à insulina (JUNG et. al, 2011).

Outro estudo com pessoas com inflamação cutânea encontrou melhorias na inflamação e atividade antioxidante após o tratamento com extrato de ginseng vermelho coreano.

Por fim, um estudo maior acompanhou 71 mulheres pós-menopáusicas que tomaram 3 gramas de ginseng vermelho ou placebo diariamente durante 12 semanas. A atividade antioxidante e os marcadores de estresse oxidativo foram então medidos.

Os resultados sugerem que RG pode reduzir o estresse oxidativo ao aumentar a atividade enzimática antioxidante em mulheres na pós-menopausa (SEO et. al, 2014).

Pode ter efeitos positivos para o nosso cérebro

Essa raiz poderia ajudar a melhorar certas funções cerebrais, como memória, comportamento e humor. Alguns estudos com tubo de ensaio e animais mostram que componentes do ginseng, como ginsenosídeos e compostos K, poderiam proteger o cérebro contra danos causados ​​por radicais livres (3, 4, 5).

Um estudo acompanhou 30 pessoas saudáveis durante quatro semanas. Estas pessoas ​​que consumiam 200 mg de panax ginseng diariamente. No final do estudo, estas pessoas apresentaram melhora na saúde mental, no funcionamento social e no humor. Porém, o mesmo estudo concluiu que os esses benefícios diminuem de intensidade após uso prolongado.

Outro estudo examinou como doses de 200 ou 400 mg de panax ginseng afetaram desempenho mental, fadiga mental e níveis de açúcar no sangue de 30 adultos saudáveis ​​antes e após um exame mental de 10 minutos de duração.

A dose de 200 mg, em oposição à dose de 400 mg, foi mais eficaz para melhorar o desempenho mental e a fadiga durante o teste.

Em geral, esses dados sugerem que o Panax ginseng pode melhorar o desempenho e a percepção de fadiga mental durante a atividade mental sustentada. Este efeito pode estar relacionado às propriedades gluco-reguladoras agudas do extrato (REAY et. al, 2005).

É possível que o ginseng tenha ajudado na absorção de açúcar no sangue, o que poderia ter melhorado o desempenho e reduzido a fadiga mental. No entanto, não está claro por que a dose menor foi mais eficaz que a dose mais alta.

Um terceiro estudo descobriu que tomar 400 mg de Panax ginseng por dia durante oito dias melhorou a calma e as habilidades matemáticas. Além disso, outros estudos encontraram efeitos positivos na função e no comportamento cerebral em pessoas com doença de Alzheimer (6, 7, 8).

extrato de ginseng 200 mg BIOVEA

Um extrato de panax ginseng de 200 mg por cápsula produzido pela BIOVEA.

Poderia tratar a disfunção erétil masculina

Estudos mostram que ele poderia ser uma alternativa útil para o tratamento da disfunção erétil em homens.

Nossos dados mostram que o ginseng pode ser uma alternativa efetiva às abordagens invasivas para o tratamento da disfunção erétil masculina (ANDRADE et. al, 2007).
Nossos dados mostram que o ginseng vermelho coreano pode ser uma alternativa eficaz para o tratamento da disfunção erétil masculina (HONG, 2002)

Os compostos encontrados no ginseng podem proteger contra o estresse oxidativo nos vasos sanguíneos e tecidos do pênis e assim ajudar a restaurar a função normal do orgão (9, 10). Além disso, estudos mostraram que ele pode promover a produção de óxido nítrico, um composto que melhora o relaxamento muscular no pênis e aumenta a circulação sanguínea.

Um estudo descobriu que os homens tratados com ginseng vermelho coreano apresentaram uma melhora de 60% nos sintomas de disfunção erétil, em comparação com a melhoria de 30% produzida por uma medicação (trazodona).

Além disso, outro estudo mostrou que 86 homens com disfunção erétil apresentaram melhorias significativas depois de tomar 1.000 mg de extrato de ginseng envelhecido por 8 semanas .

A função erétil e os resultados de satisfação geral após a medicação foram significativamente maiores do que no grupo placebo. A função eréctil dos pacientes no grupo tratado com [ginseng] melhorou significativamente, sugerindo que ele poderia ser utilizada para melhorar a função erétil em pacientes do sexo masculino (KIM et. al, 2009).

No entanto, são necessários mais estudos para tirar conclusões definitivas sobre os efeitos dessa raiz no tratamento da disfunção erétil.

Pode fortalecer o nosso sistema imune

Os estudos que exploram os efeitos do ginseng sobre o sistema imunológico se concentram em pacientes com câncer submetidos a cirurgia ou tratamento de quimioterapia.

Um estudo seguiu 39 pessoas com câncer de estômago após procedimentos cirúrgicos, tratando com 5,400 mg de ginseng diariamente durante dois anos.

[...] Nossos dados [...] sugere[m] que [ele] melhorou os sintomas subjetivos e as funções imunes dos pacientes e evitou recorrências pós-operatórias (KIM, 1998).

Outro estudo examinou o efeito do extrato de ginseng vermelho em marcadores do sistema imunológico em pessoas com câncer de estômago avançado submetidas a quimioterapia pós-cirurgia.

Após três meses, aqueles que extraíam o extrato de ginseng vermelho tinham melhores marcadores do sistema imunológico do que aqueles no grupo controle ou placebo.

[...] Esses resultados sugerem que a ingestão pós-operatória do extrato de ginseng vermelho tem potencial para melhorar a imunidade anti-câncer [...] durante a quimioterapia pós-operatória (SUH et. al, 2004).

Mesmo que esses estudos citados mostrem melhorias do sistema imunológico em pessoas com câncer, é necessário mais pesquisas para entendermos melhor a eficácia do ginseng como fortalecedor do sistema imune.

Poderia ser benéfico na luta contra o câncer

Ele também pode ser útil na redução do risco de desenvolvimento de certos tipos de câncer. Os ginsenosídeos desta erva demonstraram ajudar a reduzir a inflamação e fornecer proteção antioxidante (11, 12, 13). Os ginsenosídeos poderiam beneficiar esse ciclo prevenindo a produção e crescimento de células anormais .

Uma revisão de vários estudos indicou que as pessoas que tomaram ginseng apresentaram um risco 16% menor de desenvolver câncer.

Identificamos nove estudos [...] avaliando a associação entre o consumo de ginseng e o risco de câncer; Esses estudos envolveram 7.436 casos e 334.544 participantes. [...] Os dados da meta-análise indicaram um risco significativo de 16% menor de desenvolver câncer em pacientes que consumiram ginseng (JIN et. al, 2016).

Um estudo observacional sugeriu que as pessoas que tomam ginseng podem ter menos probabilidades de desenvolver certos tipos de câncer, como câncer de lábio, boca, esófago, estômago, cólon, fígado e câncer de pulmão, do que aqueles que não tomam.

Embora estudos mostrem alguns benefícios para a prevenção do câncer, os resultados ainda permanecem inconclusivos.

Embora tenham sido obtidos alguns resultados favoráveis em alguns estudos destinados a investigar seus efeitos sobre a nasofaringite aguda, diabetes, doença de Alzheimer e disfunção erétil, é cedo para dizer algo conclusivo. Em pacientes com câncer, ele demonstrou ser eficaz na redução da fraqueza causada pelo câncer e seu tratamento. Por outro lado, o ginseng pode causar importantes interações com outros medicamentos, embora seja descrito como um produto relativamente seguro. Por agora, parece ser razoável usar o ginseng apenas para fraquezas relacionadas ao câncer em pacientes com câncer (UNLU et. al, 2016).

Pode combater o cansaço físico e aumentar a energia

Um estudo de quatro semanas explorou os efeitos de dar 1 ou 2 gramas de Panax ginseng ou placebo a 90 pessoas com fadiga crônica. A raiz mostrou efeitos antifadiga, em parte devido às suas características antioxidantes.

Outro estudo deu 364 sobreviventes de câncer experimentando fadiga tomaram 2.000 mg de ginseng americano ou um placebo. Após oito semanas, aqueles no grupo de ginseng apresentaram níveis significativamente mais baixos de fadiga do que os do grupo placebo.

Por fim, ma revisão de mais de 155 estudos sugeriu que os suplementos de ginseng podem não só ajudar a reduzir a fadiga, mas também poderiam melhorar o desempenho físico. Porém, os resultados não são conclusivos:

Descobrimos que não há evidência clínica suficiente para apoiar o uso de suplementos de ginseng na redução da fadiga e no aprimoramento do desempenho físico, pois apenas alguns estudos randomizados controlados com um pequeno tamanho de amostra foram publicados até o momento. É necessário estudos randomizados controlados maiores para confirmar a eficácia dos suplementos de ginseng na redução da fadiga (BACH, 2016).

Pode controlar o açúcar do sangue

O ginseng parece ser benéfico no controle da glicemia em pessoas com ou sem diabetes. O ginseng americano e asiático mostrou melhorar a função das células pancreáticas, aumentar a produção de insulina e aumentar a absorção de açúcar no sangue nos tecidos. Ele também ajuda ao fornecer proteção antioxidante que reduz os radicais livres nas células daqueles com diabetes (14, 15).

Um estudo avaliou os efeitos de 6 gramas de ginseng vermelho coreano, juntamente com a medicação ou dieta anti-diabética usual, em 19 pessoas com diabetes tipo 2. Eles foram capazes de manter um bom controle de açúcar no sangue ao longo do estudo de 12 semanas. Também apresentaram uma diminuição de 11% nos níveis de açúcar no sangue, uma diminuição de 38% na insulina em jejum e um aumento de 33% na sensibilidade à insulina.

Outro estudo mostrou que o ginseng americano ajudou a controlar os níveis de açúcar no sangue em 10 pessoas saudáveis ​​depois de realizarem um teste de tolerância à glicose:

Os resultados sugerem que RG pode reduzir o estresse oxidativo ao aumentar a atividade enzimática antioxidante em mulheres na pós-menopausa (SEO et. al, 2014).
0

Parece que o ginseng vermelho fermentado poderia ser ainda mais eficaz no controle do açúcar no sangue. O ginseng fermentado é produzido com a ajuda de bactérias vivas que transformam os ginsenosídeos em uma forma mais potente que pode ser mais facilmente absorvida pelo corpo. Um estudo mostrou que tomar 2,7 gramas de ginseng vermelho fermentado diariamente foi eficaz na redução do açúcar no sangue e no aumento dos níveis de insulina após uma refeição de teste, em comparação com um placebo.

Efeitos colaterais

De acordo com diversas pesquisas, o ginseng parece ser seguro e não deve produzir efeitos colaterais graves se usado corretamente. Porém ele pode sim causar efeitos colaterais, tais como:

  • diarréia
  • insônia
  • dores de cabeça
  • taquicardia
  • flutuações da pressão arterial

Em mulheres, ele pode causar efeitos colaterais adicionais, tais como sangramento vaginal e sensibilidade nos seios. Esses efeitos colaterais são graves o suficiente para que as mulheres que lutam contra o câncer de mama sejam orientadas a evitar tomar ginseng.

Pessoas que tomam medicamentos para diabetes devem monitorar seus níveis de açúcar no sangue de perto antes de usar o extrato ou suplemento dessa raiz para garantir que esses níveis não sejam muito baixos.

Além disso, o ginseng pode reduzir a eficácia de medicamentos anticoagulantes. Se você toma algum tipo de anticoagulante, não use o extrato ou suplemento dessa raiz. Pessoas que tomam inibidores da monoamina oxidase (IMAO) e remédios para pressão arterial não vem consumir essa raiz.

Como sempre recomendamos, consulte um médico antes de tomar qualquer tipo de suplementação ou extratos.

É recomendado que crianças ou mulheres que estão grávidas ou amamentando evitem tomar ginseng, seja em pó, seja suplementos.

Como tomar

Você pode tomar ele tanto em sua forma natural quanto extrato. O extrato de ginseng pode ser encontrado em formas em pó, comprimidos, cápsulas e óleos.

Sugere-se tomar as seguintes doses diárias:

1 a 2 gramas Raiz crua
200 a 400 mg Extrato ou suplemento

 

É recomendado começar tomando doses mais baixas e ir aumentando aos poucos. Assim, seu corpo vai se acostumando aos poucos. Tomar doses muito altas logo no começo poderia causar efeitos colaterais.

Há evidências que sugerem que o uso prolongado do ginseng pode diminuir sua eficácia. Deste modo, para maximizar seus benefícios, você deve tomá-lo por algumas semanas seguidas por períodos de pausa. Assim, sempre que você for tomá-lo, os efeitos sempre serão maiores.

Se você for usar o extrato, procure um que contenha de 2 a 3% de ginsenosídeos totais e tome-o antes das refeições para melhorar sua absorção.

***

Gostou desse artigo? Foi útil para você e esclareceu suas dúvidas? Comente logo abaixo e deixe a sua opinião sobre as informações aqui colocadas. 🙂

Deixe o seu comentário

/* */